28 de março de 2012

Não Acaba

Dizem que tudo que sobe desce, que tudo que vai volta, que tudo que começa, tem meio e fim. Não pra mim. Acredito que tudo que acontece na vida, de certa forma fica. Nem sempre da maneira que imaginamos ou como gostaríamos. Mas FICAM sim. Aquele primeiro amor de infância, as pessoas com quem crescemos, crescem e seguem rumos muitas vezes diferentes dos nossos. Dado certo ponto de nossas vidas, esta pessoa, que você nem tem mais contato, ou que sequer sabe aonde esta ou se é vivo ainda. Vive! Vive entre um roda de proza, aparece no meio de uma das suas histórias, é lembrado quando você se recorda do passado. Muitas vezes ao mexer nos seus guardados, aqueles que ficam no topo do guarda roupa em uma caixa de sapatos empoeirado, você revive cenas, volta a um lugar encantado. Acha na caixa fotos, pedaços de brinquedos, uma moeda velha qualquer dada pelo avô que não mais partilha deste. Segura "meio" terço já gasto. Encontra aquela rodinha do seu carrinho favorito, que ao segurar lhe faz questionar-se o que de fato o fez guardar aquela "rodinha de carrinho sem carrinho". Você suspira fundo, balança a cabeça e nem se dá conta do sorriso enorme que aquele monte de bugigangas foi capaz de tecer em sua face. Memórias. Elas não ACABAM. Dia desses você atravessa a rua e tropeça, xinga a mãe do pedreiro até de Santa, e nesta hora se lembra de ter ouvido uma vez de alguém o mesmo relato, um alguém que você nem se lembra mais porque de não ter mais contato, e ai acaba trocando o riso que daria por lembrar do jeito dele te contar a situação, por um suspiro mais longo. E acaba esquecendo do dedão latejando, e acaba sentindo um vazio tomando conta de tudo dentro de você. Os olhos começam a doer, o peito começa a apertar. E você começa a se lembrar das histórias que dividiam, das alegrias que partilhavam. Dos segredos que se confidenciavam. Procura um canto, senta-se e lembra de algo que certa vez, este alguém havia lhe dito. "Pra sempre, o nosso pra sempre nunca acabará". As lágrimas nem pedem permissão pra rolar, e entre elas você acaba balbuciando alto o que acabará de pensar. "TUDO ACABA". Então você se levanta, volta pra casa, faz o que tem que fazer, volta a sua rotina. E enquanto lava a louça da janta pensa. "Não acaba... nunca acaba." Existem coisas, momentos, pessoas. Que o tempo, ainda que cruel, poderoso, impiedoso, não é capaz de levar, de destruir, de apagar. Quando o sentimento é verdadeiro, quando o que se tem é realmente de verdade, nada finda, separá ou faz acabar. Dentro de cada coração existe um momento, dentro de cada piscar existe uma lembrança.
Por. Bell.B

Combinei Comigo


Não importa o quanto às vezes seja difícil, o quanto às vezes eu me atrapalhe, o quanto às vezes eu seja a densa nuvem que esconde o meu próprio sol, quantas vezes seja preciso recomeçar...Combinei comigo não desistir de mim!
Por. Ana Jácomo

Eu Cansei


 Cansei deste lugar, de te alugar e de você não gastar um segundo qualquer pra ligar pra esse meu desassossego. Só diz que me entende, que vai passar. Mas eu, não podia mais, cansei. Cansei de não encontrar abrigos, desses meus idealizados. Desses de parar o mundo, o expediente, o trânsito, pra ouvir o outro chorar, apenas.

Cena de cinema? Talvez, mas ainda assim, resolvi partir.

Deixo a doçura que ainda existe em mim. A doçura que você não encontraria em qualquer lugar ou outra pessoa que esbarrasse nas esquinas da tua vida. A doçura que você nem sempre encontra na minha língua porque meus sentidos são cítricos e volúveis demais pra te fazer identificar as ternuras raras do meu paladar.

Mas sei que ela haveria de lhe faltar, então dentre as coisas que recolhi, deixo ela, a doçura, aqui, no amor, que ainda não passou. Deixei em forma de flor pra você lembrar de todas as rosas roubadas do muro vizinho, aquelas que costumavas trazer nas mãos em segredo, em suspense para, de surpresa e sorrindo, encaixá-las no meu cabelo, como um gesto fatídico e estrategicamente infalível de dizer :  - "Desculpa, por tarde chegar".

Pois bem, cansei também de esperar... Por suas cartas, suas palavras, seu grito de fascínio que me fizesse aquietar. Um discurso, um exagero? Cansei de esperar.E esperar, mon amour, é tudo que desobedeci aprender, anos e danos atrás. Então, com medo de dissabores, que meus temores e angústias são capazes de causar, decidi arriscar voar.

Arrisquei o beijo, o jeito, o jeito só meu, só teu, tão nosso e de mais ninguém. Arrisquei nosso manchado título de casal super, ultra, master, mega, "the best in the world" que inventaram sem nossa consulta pra depois maldizerem sem nosso conhecimento. O casal que sai de cartaz mas continua recorde de bilheteria, sabe?!

Então, pensei, ensaiei e veja só minha coragem, arrisquei deixar pra lá. Vesti meu figurino de viajante fugaz, fiz meu makeup de desapego e então, ainda no camarim, os espelhos refletiam uma menina destemida e obstinada, preparada que repetia o texto:"Cansei, vou deixar pra lá".

Senti um frio estranho no estômago. Estranho. Muito estranho. Não eram minhas amigas borboletas e nem a tal gastrite da ansiedade, companheira de longas datas. Era um arrependimento em aviso prévio, uma saudade sem tempo hábil pra existir. Era medo!! E flashes dos momentos que sim, nos demos motivos pra ficar, vieram como mensageiros prenunciar uma possível guerra sem fim dentro de mim caso eu desse o passo que decidira dar.

Me chamaram de exigente, assim na cara dura. Tornaram nítidos os tantos entretantos que alargam nossos horizontes e lançam fora o hesitar. E quando cheguei ao palco para a grande cena da partida, da menina que resolveu arriscar, eu -  até ali intrépida, destemida e decidida - desisti desta coisa de deixar pra lá. Não me aventurei, não me atrevi arriscar. Chamei o medo de amor, te abracei pra nunca mais soltar e cansei... Cansei de atuar.
Por. Yohana Sanfer

Não Sei Explicar



Ando sem muitas palavras pra explicar o que sinto. É um aperto no peito, uma inquietação sem sentido, o coração disparado, sensações gélidas próximo ao umbigo. Vontade de rir e chorar, a ânsia de sentir o ar invadir meus pulmões, e logo depois a sensação que tenho é de não conseguir respirar.


Tão estranho... Me sinto flutuar, como se eu pudesse burlar a gravidade e me entregar as insanidades que minha mente insiste em criar. Os pensamentos se misturam e já não sei mais se estou sonhando acordada ou recordando momentos que deixei passar.


Tudo tão confuso... Mergulho a fundo no que estou sentindo, tentando resgatar tudo afim de tentar juntar as peças que se espalham dentro dos meus pensamentos obscuros. Em vão. Fico com as mão cheias de partes, sem as partes a se encaixarem.


Arrisco... Continuo tentando entender o que sinto, compreender o que é isso, desejando me encontrar. Perco a noção das coisas, digo frases soltas, me escondo, mas passo a maior parte do tempo, a beira da fresta, só observando. Blefo, por não saber jogar. 


E nessa corrida contra o tempo de querer entender, de querer ganhar, acabo perdendo, acabo me perdendo só pra tentar te fazer me encontrar.
Por. Bell.B

Não Se Vê



Ela se deparar com aquela que porta por dentro, e há muito, há muito tempo não parava pra se ver, pra se entender, pra se olhar... Como quem fala, com quem nunca falou, puxa assunto e questiona aquela a sua frente sobre seus medos...


Quais seriam os mistérios que se escondiam dentro do tão transparente Ser? Segredos que não poderiam serem vistos por fora, não de cara. Mas que se mostravam gritantes, flamejantes a ponto  de se fazerem ver, no dilatar de sua íris, na carne e até mesmo no pulsar de seu coração.


Contornava os lábios com os dedos leves, doidos, feridos, e se olha sem entender. Não sabe sequer o que deve responder, pois nada que diga é capaz de fazer com que pare de doer. E dói... Ahh, dói! Dói tanto, que só lhe cabem as lágrimas brotarem sem sentido ao canto dos seus olhos tão atentos e não mais tão vivos, e então respirar...


Respira fundo pra tentar entender, respira devagar, pra parar de doer, Ela apenas respirava... E o pensar invadia-te a mente, e abriam-se as memórias há sua frente e Ela neste momento engolia um suspiro mais fundo. Um que desse sua garganta como se fosse uma bola cravejada de espinhos. Faz uma pausa tão profunda, que o silêncio não mais é como o de antes. Não! Este silêncio de hoje, não grita, não suplica, este, não quer dizer nada senão só e nada mais que silêncio.


Ela olha-se uma vez mais e mais uma, e não se vê, e se procura, e toca a parte fria, gélida, suada a sua frente. Desliza a mão sobre a superfície lisa pra tentar pela ultima vez se ver, mas Ela não mais se enxerga...


"Porque?" Se pergunta mais uma vez, como tantas outras vezes já se perguntou. E o que vê é o não saber, não ter em mãos as respostas, não conseguir discernir as palavras perdidas, jogadas, absorvidas. E ela não sente mais vontade de ver, nem de querer saber mais nada. Apenas olha o que reflete um vazio gritante que ecoa em sua volta... “ACORDA!” E ao fechar os olhos com os gritos calados, estes que ninguém havia gritado, estes que ecoavam em sua mente, sem sequer terem sidos pronunciados, Ela chora.
Por. Bell.B






16 de março de 2012

Em Nuvens

Dizem por ai que vermelho é a cor da paixão. Que é sexy, que deixa tudo mais vivo, que vestidos vermelhos chamam mais atenção. Vermelho. Eu detesto essa cor. (Não uso nada vermelho). Me lembra sangue. Me lembra dor. Acho que hoje, não acordei muito bem (será?). Ainda bem que o Sol não saiu. Detesto o Sol. Eu sei que o Sol é uma estrela e eu por amar as estrelas, deveria amar o Sol. Engraçado... eu também detesto o frio (e nem assim consigo gostar do Sol). Por mim, os dias seriam sempre noite! Gosto de calor, adoro noites quentes. Sou apaixonada pela Lua. (Amo chuvas de verão). Fico deslumbrada com o estrondo do trovão e adoro ver raios dançando no céu em meio aquele monte de água desabando (Eu detesto beber água). Eu não suporto ventilador, detesto ar condicionado. Mas deixo sempre minha janela aberta. (O vento me fascina). Adoro vê-lo entrar, todo atrevido, bolinando a renda das minhas cortinas. Eu nunca consigo dormir cedo. Adoro não ter hora pra acordar (Detesto ser acorda). Escuto música o tempo todo. Minha vida tem trilha sonora. Tatuei parte de uma canção (Eu não sei compor, colei ela em mim). Detesto quando me perguntão sobre minhas tatuagens num tom de critica, detesto que digam que pareço um gibi. Gente idiota, não entende. (Detesto gibis) Eu sou minha própria auto-biografia. E se me marco ou me remarco, ninguém tem nada com isso. Faço em mim e de mim o que eu bem quiser. Deus não deu a cada um de nós o livre arbítrio? Eu ando chata demais. E acho que por isso, tenho escutado muito uma frase (Caralho, você detesta tudo!) que de certa forma, tem me incomodado demais. Isso não é verdade. Que porra!!! Eu sei que sou mais exigente que a maioria, e que sou um pouco mais seletiva do que o normal. Mas caramba... isso não faz de mim, um ser azedo, amargurado, sempre critico! (Faz?) Ahhh... eu não gosto de lasanha, odeio manjericão, detesto vinho. E DAÍ??? Eu seria um Ser mais Humano, mais feliz, mais completo se gostasse dessas coisas? Eu detesto banho gelado, e meu chuveiro esta sempre no "inverno" até no verão. Eu não reciclo porra nenhuma. Acho uma puta hipocrisia essa parada de coleta seletiva. Se separar o lixo fosse salvar o mundo, o povo da Etiópia seriam os primeiros a ganhar o premio do Greenpeace, afinal, os pobres coitados não podem comprar enlatados, nem irem ao mercado, gastarem todo o dinheiro com porcarias cancerígenas que são postas em sacolinhas que (supostamente)"acabam com o meio ambiente". Por Deus. Que falta de ter o que fazer. Como se essas miudezas fossem mudar todos os fatores podres do MUNDO! Quer saber, eu detesto mesmo um monte de coisas, e acho que posso mesmo ser apontada ou rotulada (coisas que eu também detesto que façam) como CHATA! Mas o que bem poucas pessoas sabem, é que eu posso detestar peixe, odiar whisky, não suportar ruídos quando enfim, decido deitar-me pra dormir. Mas eu amo com todo meu coração, uma pessoa que nem sempre esta perto de mim, que me faz sorrir quando eu acredito que não há mais nada. Que eu vejo me ver... em nuvens. 
Por. Bell.B

Repente


Tenho acordado no meio da noite, sento-me na cama assustada, suando frio, agitada. Olho pro lado, coloco a mão sobre o peito, sinto meu coração acelerado. O ar parece não entrar nos meus pulmões, tudo parece girar rápido demais, fecho os olhos numa tentativa súbita de tentar voltar a dormir ou acordar, nem sei mais. Quando os abro, me vejo pondo a mão sobre sua testa de leve pra não acordá-lo, controlo a respiração, e as lágrimas atravessam como laminas meu rosto, e então (respiro). Não sei qual o estágio que me encontro, e nessa hora não sei se realmente acordei ou se ainda estou dormindo ( só sei que o tenho aqui). Tento achar a meada do raciocínio e me enrosco na trama do desafio. Não posso acordar, tenho medo de não vê-lo, não posso dormir, preciso correr pra não perdê-lo (em prece, suplico) me ajude Deus, nos ajude! Então volto a apertar os olhos e posso jurar que sinto o teu cheiro, o calor da tua pele perto da minha, sua respiração serena. Você esta ali (ainda dorme), acendo o abajur pra que minhas vistas alcance suas linhas é noto (é manhã). Você abre os olhos lentamente, me olha dizendo (bom dia meu amor) e a realidade me toma dali (de ti). Não a Sol lá fora, e desesperada me dou conta de que sonhei. Como tenho sonhado uma vida inteira, como hei de sonhar pro resto dos meus dias. E lá fora ainda não é dia, e a Lua me sorri sorrateira e não demora muito a me dizer, que o meu desejo por você, aflora, me toma, usurpa-me da realidade mórbida. Entre o choro doido, e o sorriso em te ter, volto ao sono, na esperança de voltar a te encontrar. E perto, na dimensão onírica da perfeição, volto a viver dentro do que você tem a me oferecer. O tudo, o perfeito, o pra sempre, que nada mais é do que o infinito de possibilidades de estar e partilhar meus momentos, meus sonhos, meus desejos, minha vida com você. E num repente me pego a pensar, e pensando saio de mim e vou te encontrar. Como mágica, assim como feitiços ou coisas que não se podem explicar, estou eu diante de ti, a contornar as linhas do teu rosto, a fixar minha retina dentro da janela de tua alma, e assim respiro leve, tão leve que qualquer médico afirmaria com segurança que não mais respiro. E assim a te olhar, e ver em ti tudo que há de melhor pra minha vida, inspiro sonhos, entorpeço-me de satisfação e desejos, que me invadem calorosamente como se o frio não existisse e nada fosse capaz de aquecer-me mais do que só e simplesmente ver-te sorrir. Assim, nessa transmissão de pensamentos, nessa troca de necessidades, vontades e anseios vou seguindo a passos lentos só não tortuosos por ter em mim você. E o que mais posso querer nesta passagem chamada vida, senão tua mão sobre a minha? Senão teus olhos mirados nos meus, senão teu silencio, aquele gritante ao pé de minha consciência, aqueles que me fazem rolar na cama e me enroscar no emaranhado dos lençóis. O que mais posso desejar se ao te ter, ganhei todos os meus “quereres” e até os que não imaginava querer. São em tuas palavras as minhas determinações, é em teu refletir, minhas emoções, é no teu respirar o meu viver. Não quero mais nada, não peço mais nada, apenas deito-me em silenciosa prece e agradeço ao Criador por dar-me você. E entre saber que sou abençoada e ter certeza de que não há nada mais nesta vida que eu possa querer, ainda atrevo-me a querer cada dia mais e sempre VOCÊ.
Por. Bell.B

15 de março de 2012

Sand in the Eyes...♪

Pode parecer brega, algumas pessoas podem rotular isso como "coisa de criança". Podem até dizer que este tipo de canção, não combina com o meu estilo, que não parece ser o apito que toco. Mas quer saber? Quer mesmo saber??? Eu não estou nem ai. Nunca me importei com o que acham ou pensam sobre mim. A verdade, a verdade é que... podemos nos encontrar em canções que jamais compraríamos o CD. Podemos ver, sentir alguém em músicas que jurávamos, jamais ouvir. Podemos ir e vir aonde e como quisermos, em apenas algumas melodias. E quando isso acontece, quando essa "magica" acontece. É que se descobre o poder que a música tem na vida da gente e de como "escutar canções" pode mudar o "ritmo" do dia. A alguns meses atrás editei esse vídeo. Hoje me peguei ouvindo ele. Poderia postar aqui milhões de frases sem sentido, ou um texto cheio de sentimentos. Meu coração esta meio "emotivo" hoje. Mas preferi apenas relatar em desabafo o que penso, sobre o que pensam sobre as canções. [(Depois de tanto caminhar, depois de quase desistir...) Será que os meus pés cansados devem voltar pra você?] Ahhh, se todos tivesses a "sensibilidade auditiva" que tem meu coração. 
Por. Bell.Bastos

13 de março de 2012

Simples Assim

Amo-te por tudo que suportou, pela paciência que teve, pela determinação. Amo-te pela força, pela gana, pela sensibilidade. Amo-te por me fazer acreditar, quando eu acreditava que dava-se ao fim o que sequer havia começado. Amo-te por me fazer descobrir em mim, o amor, o amor em sua simplicidade, o amor na sua verdade, um amor sem adornos ou promessas, um amor puro e simplesmente carregado do sentir. Este que faz tudo a minha volta parecer pequeno, diante de tudo que meu pequeno coração é capaz de carregar. Amo-te por ter tido coragem de esquecer de si mesmo, ainda que por pequenos momentos e ter posto a minha necessidade afrente de qualquer outra prioridade. Amo-te por ter se mostrado gigante, quando tu que fiz, foi fazê-lo pequeno. Amo-te... Simples assim e é assim que te amo. Desse meu jeito bizarro e torto, mas tão enorme que não me cabe no peito. E não importa o que aconteça, quantas e tantas voltas a vida dê ou por quantas armadilhas do destino eu tenha que passar. Até o fim dos meus dias, irei te amar.
Por. Bell. Bastos

Reencontro


O tempo me consumia, tomava de mim todas as minhas energias, me sentia cansada, fraca, destruída. É... o tempo exerce esse poder sobre mim, quando você não esta por perto. E assim, nesta forma desprezível, rastejei sobre os espaços de horas, até que o tempo consumiu a si próprio sem perceber que embora tivesse sido longa a espera, logo ele me faria forte por não ser mais o tempo da espera. Conforme eu ia rasurando os números no calendário, e com isso dissimulando o tempo e fazendo-o acreditar em minha derrota, eu no meu estado caótico, ia, contudo somando, juntando, multiplicando as minhas forças disfarçadamente. E no ultimo dia, no dia marcado pelo tempo como o fim da espera. Eis que levanto-me... suja, marcada pelos estragos da distancia e embora não estivesse aparentemente apresentável, te vi e sorri! Passei as mãos sobre o rosto, borrei lágrimas, pó e restos de rímel. Formei em minha face um abstrato de sofrimento, uma tela de sentimentos e ainda que formada pelas minhas palmas, foram tecidas por ti. Pela tua falta, pela tua ausência, pelo sentimento que plantará em mim. E você por sua vez, me fez mais uma vez, como todas as demais vezes, me sentir ÚNICA. Viu por trás do cansaço, da dor, do sofrimento o que ninguém no mundo seria capaz de ver Você, só você. Você e a sua capacidade de entender em mim, o que nem mesmo eu sou capaz de explicar. Conseguiu enxergar o sorriso empoeirado, a emoção incontida, a verdade que somente seus olhos são capazes de decifrar em mim. E num repente, sem medidas ou noções de lugares ou tempos, findamos a saudade em um beijo, fazendo de nossas carnes, refeição um do outro, transformando o estado deplorável da falta que nos encontrávamos em um ato absurdo, ofensivo e obsceno momento de selvageria. Matamos a vontade um do outro. Calamos a saudade. E no toque sem tocar, e no olhar sem ver, e no sentir... nos reencontramos. 
Por. Bell.B

Relevos D'Alma


Traçava linhas, rasurava as palavras. Sentia frio, pois assim o tempo estava. Dedilhava as marcas em sua pele e era capaz de sentir na ponta dos dedos o relevo da alma. Buscava formas de conter o choro, cumprir as ultimas promessas, respeitar o silêncio que não havia sido imposto, mas que tinha ali, sido estabelecido.
Por. Bell.Bastos

Eu Preciso

Rompia o silêncio do cômodo com o ranger dos dentes, e se fosse mesmo capaz de destruir com a força da mente, fulminaria o irritante tic-tac do objeto fixo à parede. Sentia raiva, sentia medo, sentia dor. Sentia, sentia nela o que ele sentia. Queimava nela o que nele ardia. Não respirava ela no cômodo em que estava, em algum alugar, tragava ele um cigarro em um canto qualquer da casa. Andou dê lá pra cá diversas vezes, postou-se na cama a esperar o sono, mais uma vez o tic-tac na parede. Ergueu os olhos e notou uma sombra, contornou ela o esboço que a qualquer outro, era apenas uma sombra na parede. Entre ás lágrimas cortantes que brotavam de seus olhos e morreriam em seus lábios, foi capaz de sorrir. A ponta de seu dedo parou em um ponto fixo na sombra em que projetará a única coisa que era capaz de fazê-la misturar a dor e o alivio. Contornou o sorriso dele e esse se fez em sua própria face e pensou ela naquele momento... (como posso ter te deixado, se mesmo desta forma é capaz de fazer o sorriso brotar em mim ?) E nesta hora, sentiu raiva de si mesma. Por ainda ter na mente, aquele sorriso faceiro, aquele olhar convincente. A esta hora, talvez ele nem saiba que ainda penso nele. Talvez nem se lembre mais do meu olhar. Eu preciso deixar você ir, porque vou acabar tendo que partir, na hora em que me pedires pra voltar.
Por. Bell.B

Eram


Não eram os gritos de ira dela por ciúmes, não eram as lágrimas dela por alguma magoa, não eram os pulos que ela dava quando feliz ao vê-lo. Eram os olhos dela, eram aqueles círculos castanhos iluminados, que faziam da visão dele, o colorir do mundo, e que refletiam no dela o porque de tudo.
Por. Bell.B


Ouvir-te

Escutou os trovões, respirou fundo. (Iniciar/Desligar) Ainda sentada olhando pra tela que fazia a contagem regressiva, visualizou "o tapete". Olhou pra janela, os gelinhos batiam contra o vidro. Fez um bico e resmungou (droga). Levantou, foi até a cozinha, abriu a geladeira e olhando pra dentro sem nada ver, sorrio. Um pensamento lhe invadiu a mente (te amo) e bordou em sua face aquele sorriso. Fechou a porta e esqueceu-se da fome. (se é que realmente estava com fome.) A chuva estava tão forte que as gotas atravessavam os vãos da veneziana. Correu pra fechar o vidro, e eis que a sua frente Ele lhe sorria através do arco-íris. Não pensou duas vezes. (discou) Do outro lado um "oi". Ele não pode ver, mas foi tamanho o sorriso que lhe pintou nos lábios, que até o "coringa" ficaria com inveja. Aquele sorriso é mais dele do que dela. Falaram por 48 minutos. Falaram deles, dos seus quereres, falaram bobagens, riram, silenciaram, falaram sem falar. Mataram a saudade de ouvir o suspirar ou de notar o jeito sem graça que às vezes ficavam com algo que falavam um pro outro. Se houvesse um placar, certamente haveria um empate. Tanto Ele quanto Ela, sabem (ou tem o dom) de fazer o outro ficar sem graça. Ela detesta isso. (isso de ficar sem graça). Ele adora isso (dela ficar sem graça). Ele consegue deixá-la desconcertada, tanto que acabou espremendo o dedo na porta do armário. Queria soltar uns palavrões, coisa que costuma fazer quando sentida ou nervosa. Neste caso "dolorida". Mas abafou o grito, espremeu as palavras, pra não perder um segundo sequer o que Ele falava. Sacudiu o dedinho, e em pensamento contou até 10. (tentou). Na verdade não queria pensar em nada. Qualquer som a sua volta atrapalhava. Queria silêncio. Queria apenas e só ouvi-lo. Talvez ele nem saiba, (logo saberá) mas tudo fica melhor quando ela o lê, o ouve ou só e simplesmente pensa nele. As cores mudam de tom, o sons mudam de nota. O aperto que sente no peito, subitamente vai embora. Falar com Ele, é como alcançar as nuvens e poder enrola-las em um palito e degustar como se fossem algodão-doce. Ouvi-lo dizer qualquer coisa, engraçada, séria, ou nem dizer nada, e ficar atenta aos suspiros do outro lado da linha, é como poder dar um único salto e alcançar o infinito.
Por. Bell.B

12 de março de 2012

Um Amor


O amor que lhe tenho não morre nunca. É um amor que se esconde atrás de lágrimas e sorrisos.
Um amor que se espalha nos olhos e no toque das mãos, na batida descompassada do coração, no simples ato de respirar.O meu amor por você desconhece fim, não faz ideia do que é acabar, meu amor por você é o amor que eu mais amo amar. Você pode ficar sem falar comigo, pode não ter como entrar na rede, pode não ter como me ligar ou me enviar torpedo... Mas eu estarei ao seu lado em cada pensamento, em cada letra de música, em cada cena de um filme qualquer. Nas paginas dos meus livros favoritos, nas citações mais emocionantes, em cada suspiro. 
Eu estarei com você, em cada olhar que você procurar e até mesmo nos horizontes que você não pode ver, não pode tocar. Eu estarei em um canto que sei que você pode sentir, pois eu habito seu peito, você reside em mim. Eu estou ao seu lado para ficar, e vou passar por todas as provas sem pestanejar. Pois nenhuma espera é tão longa, nenhuma saudade é tão dolorosa, nem mesmo o tempo consegue ser mais cruel comigo do que sou teimosa com ele. 
Por você superarei a espera, vencerei as batalhas, desafiarei o mundo... com você sobreviverei a tudo.

Por. Bell.B

Outra Coisa


O amor não é algo que te tira do chão, que segue por entre as nuvens,
 que plaina no ar... O nome disso é Gravidade.
O amor não é aquela sensação estranha no meio do ventre, que te faz estremecer, 
as mãos gelarem, o corpo padecer, as vistas embaçarem...  
O nome disso é Aflição.
O amor não é trocar palavras, fazer promessas, cobrar pelo que se dá...  
O nome disso é Interesse.
O amor não passa em câmera lenta, não volta nas melhores cenas... 
O nome disso é Cinema.
O amor não bate descompassado, não se sente apertado, não precisa de cuidados...
O nome disso é Coração.
O amor não é algo que você possa guardar só pra você e usar sozinha quando ninguém te vê... O nome disso é Egoísmo.
O amor não algo que tenha tamanho, que use medidas e proporções, que pese, some, divida... O nome disso é Matemática.
O amor é outra coisa... E só o define, aquele que não o sente realmente.

Pois quem ama... 
... Não sabe o que é
... Não explica o porquê
... Não tem noção de tamanho
... Não tenta compreender

Por que amor é sempre mais Sentir do que Dizer.
Por. Bell.B

Pedaços de Mim


Enquanto estou sentada aqui neste lugar de sempre, fazendo as mesmas coisas de ontem, pensando no que pensei ainda há pouco, meus olhos atravessam as linhas e minha mente viaja embalada a sonatas ao fundo, que não sei dizer com precisão, quais são. O relógio parece estar parado, as coisas parecem se mover ao meu redor e de repente me vejo, te vendo em rostos não estranhos, mas não os que eu queria ver. Noto que te escuto nas notas que tocam e a harmonia da música me guia até você. Insanamente procuro-te entre retratos, guardados, coisas que não me dou ao luxo de esquecer e desejo desesperadamente, partilhar contigo.Todos esses sentimentos demasiados, inflamados, descontrolados que os acordes ao fundo, fizeram nascer.
Assustadoramente te escuto dizer... 
...“Estou aqui, não vou a lugar algum sem você”

Desequilibradamente me pego respondendo...
..."Voltei por você”

A música para, o coração dispara, não há ninguém ali. Me desespero, choro, me descontrolo... respiro. Me vejo sem ti, aperta-me o peito a saudade, vazão as lágrimas cortando a face impiedosas, ferindo me como navalha que mutila a carne.

E mais uma vez, junto os meus pedaços na esperança de te ver inteiro, ainda que só...
... Dentro de mim.
Por. Bell.B

Eterno

Um dia contaremos aos filhos e aos netos, e eles contaram aos seus filhos e aos seus netos e assim sera por muito e muito tempo. A vida é a história, o destino o roteirista e todos nós "protagonizamos" o tão inesperado e incrível papel de sermos, vivermos e sentirmos o que é estar e atuar no PALCO das EMOÇÕES. E se um dia quem sabe, este conto parar no tempo, e se por algum motivo ele não perdurar pelo tão "SONHADO SEMPRE", nós saberemos que de uma forma ou de outra "OS NOSSOS DESTINOS SE CRUZARAM e a HISTÓRIA foi ESCRITA/LIDA/VIVIDA". As PALAVRAS não voltam, elas vivem, revivem e renascem sempre em um lugar nomeado "LEMBRANÇA" por que "POR ELA ACREDITAR... ELE EXISTIA" e tudo que FIZEMOS AQUI... "ECOARÁ PELA ETERNIDADE"
Por. Bell.B

Gosto do Gosto


Gosto do gosto que dói, da sensação do rasgar a alma, do latejar no peito...
... assim, sentido, tenho certeza de que tudo não foi só um sonho.
Por. Bell.B

A Verdade



A realidade é que não te amo com meus olhos que descobrem em ti mil falhas. Mas com o meu coração, que ama o que eles desprezam e apesar do que vê, adora se apaixonar.
Por. William Shakespeare

10 de março de 2012

Sua


Eu não penso, eu não lembro, eu não me recordo.
Eu sinto, eu vivo, eu faço da tua saliva, uso continuo. Sim, admito, sou viciada, dependente, preciso disso. Do seu corpo pesando sobre o meu, da sua força me dominando, das suas mãos espaçando minhas coxas. É... eu preciso, eu preciso te sentir em mim, dentro de mim, assim, aqui, ali, acolá... em todos os cantos da casa, em todas as partes do meu corpo, as expostas, as ocultas, nas minhas entranhas. Não posso negar, não tenho como negar, não a argumentos, sou tua, só tua, sempre e pra... Sempre SUA.
Por. Bell.B

Nada Sou


Eu não tenho muito o que dizer, e como venho falando, foge, escapa, faltam palavras. Acontece sempre, sempre que te encontro, que te olho, que estou ao teu lado. Não sei mais distinguir as sensações, mistos, absurdo. Dói o peito, recolho o sorriso, não contenho as lágrimas. Não... não é dor! É medo, aquele que confesso a ti, aquele único medo que me faz tremer, sucumbir... Perder você. Não temo noites escuras, nem dias nebulosos, não assusto-me com contos urbanos, nem tampouco receio o amanhã. Nada pode roubar-me a calma, nem mesmo a paz se eu estiver com você, mas sem você... Nada sou.
Por. Bell.B

5 de março de 2012

Quebra-Cabeça

Não passam as dores, também não passam as alegrias. Tudo o que nos fez feliz ou infeliz serve pra montar o quebra-cabeça da nossa vida, um quebra-cabeça de cem mil peças. Aquela noite que você não conseguiu parar de chorar, aquele dia que você ficou caminhando sem saber para onde ir, aquele beijo cinematográfico que você recebeu, aquela visita surpresa que ele lhe fez, o parto do seu filho, a bronca do seu pai, a demissão injusta, o acidente que lhe deixou cicatrizes, tudo isso vai, aos pouquinhos, formando quem você é. Não há nenhuma peça que não se encaixe, todas são aproveitáveis.Como são muitas, você pode esquecer de algumas, e a isso chamamos de "passou". Não, não passou! Está lá dentro, meio perdida, mas quando você menos esperar, ela será necessária para você completar o jogo e se enxergar por inteiro!
Por. Martha Medeiros

Toca e me Toca


" Vou vivendo meus dias,
sem me importar com a música
que lá fora toca ...
Caminho dentro do tempo,
ouvindo o que dentro de mim 
toca e, me toca. "
Por. Bruno de Paula

Existem Momentos


 Existem momentos... Em que uma vida, cabe dentro de uma lágrima.
Por. Bruno de Paula

...


(...) Saudades de que já não sou. 
Por. Bruno de Paula

Fazes-me Falta

Um bocado de mim treme ainda de paixão atrás de uma porta onde já não mora ninguém, onde eu nunca morei. Nestas águas-furtadas que não conheceste morava um homem e no corpo dele era a minha morada. Mas eu não sabia. (…) Imaginas um não-corpo a implorar beijos, saliva, suor e pele? A minha única âncora és tu, amigo sem lugar de perdição. Em ti, fuga das fugas. chama de segurança. fujo da paixão que me arrancou à vida. E não procuro nenhum dos outros homens que amei, talvez porque nenhum deles tenha podido guardar mais do que o sabor breve do meu corpo. Amavam a novidade do nosso prazer, o meu sorriso, a minha paixão, o que eu tinha para dar. Tu, sombriamente, amavas o que eu não dava - o ressentimento, a insegurança. a maternidade. Gostavas de me ver falhar, e não era por vaidade ou piedade, como geralmente acontece entre amigos. O meu lado medíocre não te excitava os melhores instintos. Amavas simplesmente a minha terra como uma criança ama uma pedra, um bocado de boneco, um urso sem olhos. É esse amor que agora me falta - o sujo, quotidiano amor dos momentos maus, das frases adversas. das ausências.
Por. Inês Pedrosa

Tudo Dói

Tem dias ou noites em que tudo dói e mesmo sem emitir um só ruído... é ensurdecedor o que ouço de dentro pra fora.
Por. Bell.B

Dormia




Dormia ela, sim ela dorme, ela dorme porque só assim a vontade de morrer não lhe vence, e dormindo é a forma que ela encontra de estar com ele, pois dormindo ela permanece nos sonhos, e nos sonhos dela, habita ele. Acordo sempre quando teus lábios tocam os meus, então não se demore mais amor meu, acorde-me.

Por. Bell.B



Talvez


Tenho habilidade em descrever vibrações de pingos d’água...
... sou capacitada a descrever fenômenos sobrenaturais.
Posso fazer-me entender sem dizer se quer uma única palavra...
... mas não sou capaz de descrever, explicar ou sequer entender o
que você me causa.

Talvez seja seu jeito descontraído de ver as coisas embora
algumas coisas lhe tirem do sério.

Talvez seja a forma calculista que você tece seus objetivos 
ou a forma imponente pela qual você se impõe ao destino.

Talvez seja a sua decisão em partir, quando deseja ficar
 ou quando você resolve ficar, mesmo sabendo que melhor seria ir.

Talvez sejam as musicas que você canta que me encantam, o teu jeito de se aninhar em mim que me faz sonhar, talvez seja quando você não diz nada e diz que me ama só ao me olhar.

Talvez eu não saiba ao certo explicar com palavras, o poder que você tem de me dominar, de me conduzir, de me fazer flutuar, mas certamente se alguém estivesse em minha pele, saberia que todas essas minhas duvidas, surgem quando você se aproxima, e começa a me tocar.
Por. Bell.B

Não Ter

E não ter você, seria como ter que sentir sede e não saciar-me em águas doces e puras, e seria como saber e entender a beleza de um por do sol ao entardecer de verão e não poder fitar com minha retina o dourado acolhendo-se no horizonte. Seria como só respirar e não compreender o que é vida. Seria! Assim seria minha vida sem a tua. Não é! Encanto-me com as alvoradas e percebo no fundo de uma nota o potencial da sonata e vejo por trás dos teus olhos o brilho de um sorriso, que só frente a ti, sou capaz de projetar em mim mesma. 
Por. Bell.B

Destino


Imaginamos que todas as coisas erradas, acontecem sempre com os outros. "Erramos"
A vida nem sempre nos oferece rotas faceis, mas ela é perfeita naquilo que deve ser. "Sabemos"

Destino!

Queremos concretizações de sonhos, desejamos o inalcançável, esperamos por tudo, 
acreditando que tudo é possível. "Oramos"
Uma maratona contra o tempo, as conquistas se distanciando, os
sorrisos se apagando, o apego desgarrado ao que não vemos e precisamos
encontrar, decepções, divisões, lições, frustrações. "Humanos" 

Destino!

Aprendemos com tudo aquilo que em outrora desprezamos.
Por. Bell.B

Como?


Como não desejar-te um bom dia? Como cumprir as promessas que fiz a mim mesma? Como esquecer cada palavra dita, não dita? Como?? É impressionante o dom que tens, fico passada com a sua capacidade de me violentar em face sorrisos. Esse seu potencial é absurdamente inquietante sabia? Lindo... divinamente lindo! Não sei dizer quantas vi e por quantas mais verei, enfim... Não estou aqui pra relatar até que ponto vai a minha gana, mas só e somente para agradecê-lo por isto e por tudo. Há muito tempo deixei de tentar entender as sensações, deixei de querer saber o porque de tudo e suas razões... e quando parei então de querer compreender o que se quer tem explicação, comecei a entender que o incomum, o incomparável, o inexplicável, o único... apenas se sente. E sentindo apenas, começava a ter sentido, tudo aquilo que por muitas vezes tentei dizer e me faltaram palavras, tudo aquilo que tentei mostrar e a ponto do meu indicador não alcançava, tudo aquilo que denunciavam os meus olhos sem meus lábios terem que pronunciar uma única palavra.
Por Bell.B

Infelizes

Infelizes os que acreditam em tudo que escutam, pois nessa hora, deixam de enxergar o que por gostarem de ouvir, não conseguem VER.
Por. Bell.B