28 de julho de 2017

Tudo é Reação




E sequer um cigarro aceso no mundo queima em vão. Nenhuma mão se movimenta voluntariamente para acendê-lo, se não para espantar o indesejável.

Garrafas vazias são sempre cheias de causas e consequências de causas. Todos os cortes retilíneos deixam escorrer a alma. Ou vice versa. Um quilo a mais nunca é só um quilo a mais. Um a menos também não. O stress não é repentino e a apatia tem um passado. Tudo é reação.

Um sonho interrompido é uma lembrança distante, como a de quando planejávamos dominar o mundo com o pessoal da terceira série; é uma saudade profunda daquilo que jamais se viveu. Palavras não são só palavras quando escritas no papel do ser que se é. Mas e quando não é ou não se conhece ainda? Ser o que? Ser mais, é o plano de todos para o futuro. Mas, pasme, o futuro não existe, ele é apenas uma imaginação abstrata e borrada numa moldura trincada. Trincada. Trincada. Um eco que faz repetir o medo de não conseguir alcançá-lo. Um choro ou um riso não são fundos fotográficos, penso e creio e defendo e bato o pé que são os extremos da alma querendo se expor. E tudo é questão de passado, e tudo é baseado nele, tudo que é, um dia, já foi e se fez ser. Meu Deus, que confuso. É puro caos, as pessoas.

Somos tudo o que não sabemos expor mas tentamos, em prol de um encaixe perfeito. A vida é feita para acabar e de nada adianta a renúncia e a bússola, o que não tem fim é o tempo, e só – e o que fica pairado sob as estrelas, enquanto um único olhar mira para cima de sua cabeça, após o fim que antecede o seu. Vai saber se questionando o invisível, aprende-se o que sempre se passou despercebido…

... Mas, independente de todo o incomensurável (roubo a frase de Lispector): A vida come a vida. Então, de repente, cantiga de ninar e brisa fria sopra o para sempre.
   É como eu sempre digo, desde que observei: Viver é um suicídio
- Joyce Lima

14 de julho de 2017

Estragou Tudo

Depois do sexo, olhei pra cara dele como despedida. Vou sentir sua falta, pensei. Coloquei a roupa sem muita vontade e, quando vi, já estava dentro do elevador. As pernas doíam, a cabeça acelerava e, claro, mal conseguia andar de tão assada. Sempre foi foda, sempre foi gostoso, sempre foi tudo de bom. A diferença? Ele virou-se e disse "te amo". Não como amigo. E isso era foda. O amor desbota qualquer amizade colorida. Estraga qualquer lance legal que você tenha com alguém. Com ele era incrível. Gozava feito louca. Puta que pariu. Mas não deu mais liga. Não depois dessa confissão. Da confusão. O PA perfeito se apaixonou. Jesus. Não sei o que é mais azar. E parece até que ouço Caetano dizer "toda razão, toda palavra, vale nada quando chega o amor". Eu não podia correr o risco de brincar. Melhor manter a amizade cinza que deixar ele colorir demais a coisa. Inventei uma desculpa estranha e saí. Triste, mas pelo menos saciada. Não tô podendo correr o risco de me envolver tanto assim. Valeu, foi bom, adeus.
 - Desconheço Autoria 

Paradoxo

Você sempre foi o que eu tive de mais secreto em mim. Aquela lágrima de saudade que ninguém nunca descobriu, aquele impulso pra ir em frente que ninguém nunca entendeu. E assim, mesmo de tão longe, você consegue estar tão aqui. Tão dentro de mim, tão nas entrelinhas do que eu vivo, tão nas noites que eu não durmo.

Eu te amo tanto, que eu mantenho a distância segura que nos separa e te dá paz. Amo tanto, que já me acostumei com a ideia de que estar longe te faz bem e sofro sozinha com todo esse amor espremendo meu peito contra uma realidade fria e sem graça, longe do teu calor e do teu sorriso.

O meu amor é instável a ponto de sumir quando eu vejo Closer, mas é intenso a ponto de não acreditar que o amor como eu sonhei é só um sonho. Meu amor é tão burro, tão imbecil, que ele acredita que agora pode dar certo, que agora seremos felizes, que agora tudo na minha vida vai mudar. O meu amor é teu, tão teu que não se importa com a felicidade do teu sorriso longe, desde que ele se mantenha sorriso.

O meu amor é uma mistura de passado e futuro. É uma falta de presente que angustia e amedronta, mas anestesia. E eu vivo inerte sentindo tanto (tanto) amor, que eu viro pro lado, coloco a mão na minha cintura como você fazia, imagino seu rosto e durmo. E isso basta. Meu amor é tão humilde, tão singelo, que ele continua sendo amor só por saber que você existiu um dia. Ele não quer a sua presença, não exige seu carinho, não lamenta pela sua perda.

O meu amor é a fé que eu deposito todos os dias em alguma coisa que possa tirar todo esse peso e essa dor de mim. É aquele sentimento de crença meio burro, que faz de mim uma metade de online casino amor. Meu amor é aquele que um dia fez de você o primeiro, que te transformou em último e que me fez parar de acreditar. E eu parei, porque eu te amava tanto, que eu não sabia o que fazer com esse amor e acabava te odiando.

Meu amor me dá tanto medo, que eu te rebaixo. Eu fico tentando pensar nos defeitos que você tinha, naquele dia que você não foi atrás de mim e eu olhei pra trás a cada passo que eu dei. Eu tranco a porta do quarto, ouço Damien Rice no último volume e choro. Choro porque nós ouvíamos Damien Rice e porque eu imagino que quando a música acabar e as minhas lágrimas secarem um pouco de todo esse amor vai embora. Os meus olhos incham, meu amor também e ele nunca vai.

Meu amor é o que me faz sentir uma sede que nem mil litros de água abrandariam, é o que me faz perder o apetite de comida porque a minha fome de amor é ainda maior. Meu amor é a grande quantidade de vírgulas nos meus textos, porque a tua objetividade me dá calafrios. É a lembrança da vista da sua janela e da sua visão do mundo, é uma saudade doída da sua ajuda para fazer cálculos e para tomar decisões. O meu amor é a própria falta de decisão.

Meu amor é a possessão incrível que me faz manter tanto amor em silêncio. É o absoluto egoísmo e a mais extrema doação. Eu tenho tanto medo de perder o meu amor, que eu já não consigo respirar direito por medo de sufocar um pouco que seja desse sentimento. Meu amor é invisível, é particular. Não consigo dar nem um pouco dele a qualquer um, porque ele é só teu. Mas eu também não quero dar ele a você, porque nem você saberia o que fazer com tanto.

Meu amor é a vontade de gritar no seu ouvido que eu existo, é a vontade de abrir a caixa vermelha com as suas lembranças, é a vontade de te ligar e te propor uma fuga. O meu amor é o medo que eu tenho de acordar, e a vontade que eu tenho de acordar pra ver se você me vê. O meu amor é o meu paradoxo, é a minha música, é a minha poesia.

O meu amor é o que eu sinto de mais forte, é o que eu tenho de mais verdadeiro. Meu amor é aquele que eu escondo, que eu fujo, que eu desencontro. É aquele que me sufoca tanto que eu perco o medo, a vergonha, a compulsão. É aquele que me faz perder o rumo e que me faz voltar sempre pra você. É aquele que não deveria ser escrito nunca, mas que não consegue mais calar. É aquele que morre e renasce todos os dias, cada vez mais forte, cada vez mais meu. Cada vez mais teu amor.
- Por Mariana Melz