29 de dezembro de 2012

Feliz Ano Novo

 Desejo a todos vocês, que estão sempre marcando presença neste meu cantinho tão especial, um Novo Ano repleto de boas novas, saúde, sucesso, amor e PAZ! Que Deus os abençoe e que não lhes deixe faltar garra, vontade e determinação. Deixo um beijo no coração de cada um de vocês e os meus mais sinceros votos de um FELIZ FELIZ FELIZ FELIZ 2013!  
(4 vezes para dar sorte).

E a pergunta que fica é: O que você quer, para o seu Ano Novo?

Por. Bell.B

Sonhe

Quando se é pequeno, tudo que você deseja se torna bem mais simples do que parece. Construir o próprio patrimônio, chegar à lua, ter o emprego dos sonhos, viajar pelo mundo. O engraçado é que você cresce, e a maioria desses desejos, permanecem com você por muito tempo. Alguns vão continuar apenas como sonhos, outros podem até virar realidade. Mas para isso, é preciso que você respondo uma pequena pergunta:

                                             O que você quer ser quando crescer?

Astronauta, médico, bombeiro?
Saber essa resposta não será o fim das suas buscas, e sim o seu ponto de partida para várias outras.  É através dela que o seu futuro começa a ser desenhado, é ela quem transforma o plano louco em algo totalmente possível. Comigo não foi diferente... Assim como você, eu queria o improvável, o surpreendente, o inovador. Fazer o que ninguém mais seria capaz de realizar. Ir tão longe que nenhuma outra pessoa seria capaz de me alcançar. Ser o descobridor de uma nova era ou quem sabe, de um novo tempo. Na verdade eu queria mesmo, era realizar os meus desejos. E assim como numa brincadeira de criança, conquistar tudo aquilo que parecia improvável.  O trabalho dos sonhos, a família perfeita, e porque não viajar pelo espaço.
Não cheguei a ser astronauta, não fui bombeiro e muito menos médico. Mas experimentei o novo, comecei do zero, fiz de tudo e tudo de uma forma diferente. Servi à aeronáutica, vendi jornais, verduras e picolé. Trabalhei como ajudante na construção civil, fui operador de produção, pintor e até artesão. O meu primeiro patrimônio não foi nenhum castelo. Vendi muito esterco e metal para adquiri-lo. Talvez todas essas funções não me permitiam enxergar mais longe naquele momento. Mas com certeza permitiu-me ter experiência suficiente para crescer com humildade, amadurecer, ter responsabilidade. Experimentar minha capacidade de empreender para viver. Estar à frente do tempo em que vivia. E você, tem sonhado com o que? Quais os seus planos para chegar lá? Ficar parado não vai lhe trazer nenhum resultado inovador... Não lamente a sua sorte. Não tenha vergonha do que faz. O trabalho é o que transforma você. Posso te dar um conselho?
                               
SONHE! EXPERIMENTE! FAÇA O NOVO!

Busque a concretização dos seus desejos todos os dias. Escolha fazer o que você gosta, não apenas o que lhe trás dinheiro. Ele virá naturalmente, através dos seus esforços. Seja fiel aos seus valores. Faça com amor e seja o melhor naquilo que faz. Lembre-se... Você é o único responsável pelo seu destino. Coloque-se sempre em primeiro lugar, ame o próximo na mesma proporção que se ama. Somos todos capazes de ser e fazer. Não deixe que façam por você. Erre, erre de novo e através do erro, ganhe experiência. Não seja tão duro com você mesmo, e quando tudo parecer difícil, volte a ser uma criança novamente, sem nenhum medo de responder aquela simples pergunta... O que você quer ser quando crescer?
                                                       Por. Deivison Pedroza

24 de dezembro de 2012

Marry Christmas

Não existe o Natal ideal, só o Natal que você decida criar como reflexo de seus valores, desejos, queridos e tradições.
Por. Bill McKibben 

Desejo a todos que estiveram e partilharam deste cantinho comigo... UM FELIZ NATAL! 
Por. Bell.B 

19 de dezembro de 2012

Raro

É raro encontrar alguém que vê além das nuvens,
 que se senta no meio do nada pra caçar estrelas e trocar ideias com a lua...
Por. Gabito Nunes

Duas Pedras

 Não queria saber do ontem, de vontades, de desejos com duas pedras de gelo e whisky, queria saber se ele é macho de querer com vontade sem whisky uma mulher só, que às vezes trinca feito duas pedras de gelo, e querer salivando, e ter peito pra suportar crises de abstinência. E ter mais peito pra desejar sua presença... Sei não, ele não parece o tipo pelo qual ela pararia de comer chocolate: cara interessante tem que valer mais que um ferrero rocher. E se ele não teria um amor sóbrio por ela, por que ela iria abandonar umas paixões inebriantes? isso é coisa que só se explica quando se sente, ou seja, quando não se explica nada. O perigo ronda, há uma leve pressão na nuca. Olha pro lado, e seu pote de doces de repente derrapou para o lado sem-graça da sua vida. Bem, se ele não for tão macho pra saber que há mais que honra em abandonar um vício, ela cuidará do lado mulher dele com vontade e muito whisky e sem gelo, por favor...
Desconheço Autoria

17 de dezembro de 2012

Dentro Dela

 Ela era tão jovem, tão solitária e ingênua, que se imaginava uma espécie de recipiente a ser enchido de amor. Mas não era nada disso. O amor estivera dentro dela o tempo todo e só se renovava ao ser doado. 
Extraído do Livro/ O Guardião de Memórias

16 de dezembro de 2012

Nada

Os últimos dias não foram fáceis, passará a maior parte do tempo brigando consigo mesma, tentando controlar suas compulsões, lutando contra seus Demônios. Estava tão desordenada por dentro que decidiu tomar medidas radicais. Apanhou algumas peças de roupas, alguns objetos pessoais e partiu... (precisava pensar, tentar se reordenar por dentro) queria tempo, não sabia exatamente porque e nem do quê. Apenas queria respirar sem ter que entre uma pausa longa e outra, responder a qualquer pergunta idiota de alguém, que a fizesse ter que por os pés no chão.

Enquanto apoiava a cabeça contra a janela, as luzes dos faróis se misturavam com as luzes dos enfeites de Natal e vinham como flechas em chamas em sua direção. Estava tão transtornada, que a única coisa que enxergava, eram borrões coloridos. Já tinham se passado mais ou menos uns 25 minutos, mas a sensação que tinha, era de estar sentada ali por 2 dias. O ano passará com um raio, mas esses últimos dias, pareciam estar em "slow much". A vida pessoal não estava ruim, pelo contrario, conseguira resolver várias questões, estava cheia de projetos para o Ano Novo, a agenda já estava com várias marcações. Planos... Projetos... Sonhos! Tudo praticamente rascunhado. Então porque Diabos, estava se sentindo assim? Como se não tivesse conseguido concluir nada? Como se não fosse NADA! Após 56 minutos chegou ao seu destino. Embora não tivesse feito qualquer esforço na viagem, desceu do carro como se tivesse ido andando até lá. Estava cansada, as costas pareciam pesar toneladas. Ao abrir a porta, não acendeu às luzes. Deixou as malas no cantinho da sala, e se atirou no sofá. Não haviam luzes de Natal, nem enfeites, sequer foi montado uma árvore. Mas isso era o que menos lhe importava, o ambiente estava ornando perfeitamente com seu interior. Na verdade, escolherá ir para lá, exatamente pra isso. (Ficar só... só com seus sentimentos)

Estava deita no sofá, a cabeça apoiada no braço, e suas mãos repousadas em seu peito. O silencio só não era maior, por conta da força de seu coração. Ora e outra acelerava descompassadamente, e sequer era preciso estetoscópio para ouvi-lo. Era quase possível segurá-lo entre os dedos.O ar de repente parecia não mais entrar, o estomago pareceu revirar, sentiu o teto rodas. Apertou os olhos com força, e ao fazer isso... viu as luzes coloridas dançarem. Sacudiu a cabeça, sentou-se depressa, e levando as mãos contra o rostou, sentiu-se sufocar. (crise de pânico? depressão? stress?) Que porra era aquilo? E antes mesmo de ter forças para se perguntar ou praguejar, sentiu as palmas das mãos molharem. (Definitivamente o silêncio foi rompido) Quando se deu conta, estava em prantos. Quase se afogando no próprio choro. Aquele nada que à estava assombrando, acabará de ganhar forças. Estava tomando conta de tudo. Do silêncio, do escuro, do seu mundo. Queria gritar, queria correr, queria ter coragem de rasgar seu peito, tirar aquele vazio absurdo de dentro. Queria preencher aquele nada com qualquer outro sentimento. Mas por onde começar? O que fazer? Sequer sabia o que estava sentindo de fato, nem mesmo sabia o porque estava daquele jeito. Haveria um jeito de fazer passar? De fazer aquela dor parar? Tinha escolhido ir para lá, para não ter que pensar, responder, socializar. Mas de repente, tudo pareceu começar a aflorar. Tudo pareceu tomar formas, e até o silêncio parecia gritar. Precisava encontrar uma forma de se ajudar, de sair daquele sinuca bico. Bateu a mão no plugue, acendeu as luzes, olhou em volta. Papel, precisava de papel, precisava escrever. isso sempre a ajudava, dava-lhe a sensação de alivio. Mas o que dizer? Pra quem? Sobre o que? (Isso nunca acontecerá) Normalmente, esse tipo de estado emocional é que lhe rende os melhores textos, as rimas mais bonitas, porque Diabos desta vez não conseguia?

Era o NADA, ele a invadia como se fosse um terreno baldio. A ignorava como se ela fosse um indigente. A tomava como erva daninha. Ela tinha tantos sentimentos, tantos sonhos, tantos arrependimentos, tantas vontades dentro daquele peito, que ora e outra, eles se fundiam todos ao mesmo tempo. E fosse ela, para onde quer que fosse, fizesse o que fizesse,escrevesse, lesse, ouvisse música, ou ficasse apenas em silencio, nada a ajudaria. E embora tudo parecesse vazio, e ela não conseguisse distinguir seus sentimentos, no fundo ela sabia que era forte, e que aquilo tudo que estava sentindo, iria passar, era só mais uma das suas fases de conflitos internos, era só mais um... dos seus tantos e tantos complicados e confusos momentos.
Por. Bell.B


7 de dezembro de 2012

Sinônimo

O mês de Dezembro é complicado pra mim, em vários aspectos. Começando do ponto de partida, particularmente... DETESTO AS FESTAS NATALINAS (nem sempre foi assim). Enfim, tenho nojo dessas reuniões, onde as pessoas se juntam e “fingem” se amar (é claro, não vou generalizar, á exceções... bem poucas!), fingem ser solidárias, fraternas, emotivas. Talvez por eu ser assim sempre (emotiva demais), fique revoltada em ver as pessoas “atuarem” nesta época do ano. Afinal, grande parte dessas pessoas passam o ano inteirinho sem se falar, sem saber, sem sequer terem a preocupação de saberem o que de fato acontece com a vida do outro. Daí então, é feita uma pré-reunião aonde por votação e concordância se escolhe uma casa e quem leva o que. Com os primeiros requisitos definidos a próxima etapa é decidir como ir. Foda-se o prato que foi escolhido, foda-se a casa... O que realmente importa, é com que roupa ir, que sapato combinar, quantos presentes comprar. PRESENTES... e a porra da PRESENÇA?

Será que em algum momento passa na cabeça de alguém, que o Natal não é um evento feito para a apresentação de quem tem mais ou menos, de quem esta por cima ou por baixo? Será que as pessoas não entendem que o Natal não é uma peça teatral, aonde se sobe num palco mascarado? Fico triste com isso, fico triste demais com isso... Estamos a menos de 15 dias para o Natal e as pessoas só pensam em comprar, em como vão se apresentar, mas ninguém se lembra que vamos celebrar o nascimento de Jesus. Que vamos vivenciar por mais um ano, uma grande data. Mas e daí? Quem se importa com isso? Quem liga?

Eu ligo! Eu me importo! Eu me preocupo com isso!
E é uma pena que poucas pessoas se lembrem disso. É realmente triste que uma data tão importante e valiosa para o nosso espírito, tenha se tornado um evento superficial e lucrativo para os comércios. No dia 25 de Dezembro se comemora o nascimento do menino Jesus. É celebrada a vida, a união, é um momento de refletir sobre nossas vidas, nos baseando naquele que à perdeu por nós. Mas a nossa pequenez humana, a nossa ganancia, nos impede de ver além. Nos bloqueia de sermos maiores que uma nota qualquer e de sermos capazes de sermos amados por quem somos, sem termos que ostentar valores. Valores... ninguém mais sabe ao certo o que de fato essa palavra quer dizer. Foi-se a época em que ajudar ao próximo, fazer o bem sem olhar a quem, dar sem esperar receber, eram sinônimos de VALOR. Foi-se o tempo do amor verdadeiro. A nova geração quer mais, quer sempre mais. E eu também... e embora a minha decepção com a espécie humana seja explicita, e a minha tristeza aflore um pouco mais nesta época do ano, desejo a todo aquele que não pense como eu, que Deus os perdoe e que os abençoe, afinal... Eles não sabem o que fazem!
Por. Bell.B

1 de dezembro de 2012

Quero Mais

 Eu amei uma vez até doer.  Era uma dor tão sentida, que com o passar do tempo, a impressão que se tinha, era que nem mais doía. Depois de algum tempo, você começa a acreditar, que esta sensação, faz parte do seu dia a dia... E acreditem se quiser (isso passa a doer, mais ainda). Com isso, passei a acreditar, que não seria capaz de sentir mais nada, além da minha própria agonia. Engraçado... (eu gosto da dor) da dor de sentir latente. Me faz sentir viva! Mas do nada, assim sem avisar ou sem que eu percebesse, você apareceu. E eu sem perceber, aos poucos comecei a sorrir novamente. (e aí?) Deixo doer uma dor nova, porque sei que ora ou outra, essa alegria passa. Me permito sentir, permito-te que me faça sentir? Eu quero mais que palavras, quero sonhos, fantasias, não mais noites vazias. Eu cansei de estar cercada de pessoas e ainda assim, me sentir só. Quero mais... Eu quero ver os olhos me devorarem a alma, quero sentir a pressão da mão comprimir minha nuca e com isso, me tomar o fôlego. Quero sentir por dentro a invasão descontrolada, quero me sentir revirada. Ouvir a voz no pé do meu ouvido, se alternar entre sussurros em gemidos, onde diz me querer, me amar, me odiar por te fazer perder o controle. Entende? Quero o que quer, mas quero sempre mais!
Por. Bell.B