29 de setembro de 2012

Marionete



Entre rabiscos certos, brotados de sentimentos incertos, escrevi...
(Tempo, afaste estas duvidas de mim)

E entre as preces que fazia, histericamente em silêncio, pedi...
(Deus, não permitas que seja assim)

 Enquanto eu refletia sobre a minha vida, sobre como cheguei aonde estou hoje, as lágrimas romperam sem que eu as pudesse evitar. Nesta hora pensava nas coisas que tinha deixado pra trás, nos sonhos que deixei de sonhar, nas vontades que não tive forças para continuar a ter, nas pessoas que precisei deixar partir... Acabei me questionando sobre quem sou,  quem quero ser. Será que posso moldar-me, transformar-me, agir de uma maneira que não de costume, e assim agradar aqueles que se incomodam com meu jeito de ser? Sinto-me apavorada, por que sei que posso sim mudar, agir diferente, mas se assim for, se assim o fizer... Irei apenas conduzir os atos, editar as cenas, filtrar as palavras, serei marionete das restrições, perderei o fio das emoções e passarei a ser superficial, meu "eu" ficará incompleto, vago, vazio... Não, eu não posso! Aprendi desde muito cedo, que por mais que sejam duras as palavras, elas devem ser ditas sem “entre linhas”, que se for amor, que seja explicito sem cobranças e restrições, sem receios. E que se for um sentimento verdadeiro, ele superará, resistirá perdurará. Se for, que transborde em face, lágrimas, sorrisos, emoções, que aja conflito, que exista discussão, mas que seja simples, direto, puro! E ainda que a minha forma de agir e pensar, que essa minha maneira de viver e ver a vida seja complexa demais para ser entendida (in)compreendida, e me faça juntar na carne, uma, duas, muitas feridas... Que assim seja, contanto que seja real. Pois só assim, lá na frente, eu poderei sentar-me na varanda num final de uma tarde ensolarada e dizer pra mim mesma, que não houve em minha vida outrora, em que eu não tivesse vivido intensamente cada momento dos meus dias. Então vou continuar a viver meus momentos, colecionar minhas memórias, guardar cada emoção em meu peito. Vou continuar a escrever sobre o que sinto, sem medo, vou deixar que meus rabiscos transbordem em letras, meus sentimentos. Eu vou continuar a riscar linhas tolas e tortas e registrar filosofias pessoais baratas sobre o meu dia a dia aqui, ali, acolá. Porque é só assim que consigo deixar claro, acesa, latente a chama da minha vida.

E se vou sentir remorso do que fiz/faço?
De como vivi/vivo? Das coisas que falei/falo?
Não, eu não vou! Porque mil vezes uma única vez... 
... Do que uma eternidade sem saber como poderia ter sido.
 Por. Bell.B

27 de setembro de 2012

Running Up That Hill

Por. Angel Black/Placebo - Running Up That Hill


Será?

Por. Caio Fernando de Abreu

Fairy Tales


 Your tale has only begun... It comes from far, the Nowhereland.
The wind is blowing a sound well known...♪
Por. Shaman/Fairy Tale 

26 de setembro de 2012

Guardei

Por. Caio Fernando de Abreu

Clichê

E tudo ia bem, ia tão bem, que embora o tempo estive feio, o céu cinza, e o vento soprasse parecendo querer arrancar da janela as cortinas, ela sorria, ele também até que resolveram cutucar as feridas, e como era de se esperar, como tudo num repente entre eles pode mudar (e mudou)... Se fez valer a feiura do dia.

Acabaram revelando verdades, das quais já sabiam, entretanto... só não tinham dito cara a cara. Relataram os sentimentos que há muito... continham. Esses fatos não mudaram nada, nada na maneira dela sentir, nem no modo dele pensar. Apenas ficaram esclarecidas certas duvidas. Duvidas que sequer deveriam existir, até porque, conhecem mais um ao outro, do que a si. Enfim, contudo... ela ainda faz aquela mesma pergunta clichê, já tão batida...
Por. Bell.B

Simplesmente

 Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração. Tudo que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por. Fernando Pessoa

Manias

 Todo mundo tem suas manias, eu tenho as minhas. Mania de mexer no cabelo de 5 em 5 minutos, falar alto, encarar quem me olha demais. Mania de pensar demais em você, de acreditar em horas iguais, de ficar imaginando as coisas antes de dormir, mania de rir por bobeira e chorar de nervoso, mania de escutar uma música e ficar me imaginando nela, mania de mudar de humor constantemente, mania de ver minha vida como se fosse um filme - como se ainda fosse ter um final feliz -, mania de ter medo de tudo, de falar o que eu sinto e de te perder. Mania de pensar no que já fiz e repetir tudo, mesmo que me arrependa.
Por. Tati Bernardi

21 de setembro de 2012

Amanhã


#FICA a DICA

O Furacão ♪



Isto não é realidade... Isto é um sonho.
 (Isto é apenas um recomeço)

AONDE VOCÊ VAI? 
A medida que os dias passam... as noites são de fogo.
(Queime, deixe tudo queimar...) 
 Há um fogo dentro deste coração, e ele está prestes a virar chamas.
 ...

 VOCÊ REALMENTE (me) QUER? 
Entregue seus sentimentos ao prazer,  e que ele seja o único Deus a governar sua existência. Somente por ele, uma jovem deve sacrificar tudo. 
(E que ela não julgue nada mais que o prazer)

 Essas alegrias violentas, têm fins violentos também... falecem no triunfo.
Como fogo e pólvora... que num beijo, CONSOMEM-SE. 
(A virtude nem sempre é segura...) 

 ISSO NÃO É UM JOGO, NÃO ESTOU JOGANDO!
Uma batida do coração, eu preciso de um coração batendo.
Sabe que devo ir, não posso ficar.
(Este furacão está perseguindo todos nós...) 

VOCÊ REALMENTE QUER?
VOCÊ REALMENTE ME QUER? 

Espreitando as profundezas da noite, ali fiquei por um longo tempo... estudando, tremendo, sentindo, DUVIDANDO! SONHANDO COM SONHOS, QUE  MORTAL NENHUM...
...JAMAIS OUSOU SONHAR.
Por. 30 Seconds to Mars/Hurricane 

Mesmo Não Sabendo

Eu te amo, mesmo negando.

Mesmo deixando você ir, mesmo não te pedindo pra ficar.

Mesmo não olhando mais nos teus olhos.

Mesmo não ouvindo a tua voz.
 
Mesmo não fazendo mais, parte dos teus dias.
 
 Mesmo estando longe, eu te amo.
 
E amo mesmo, mesmo não sabendo amar.
 Por. Caio Fernando de Abreu
 
 


 

20 de setembro de 2012

Soprou

Fechou os olhos, firmou seus pensamentos e soprou...
Por. Bell.B

19 de setembro de 2012

Nós Dois

... parece uma partida, contra o resto do mundo...♪
Por. Frejat/Sobre Nós Dois

Janela Secreta


O sorriso estava doce, as maçãs de seu rosto, estavam levemente coradas, devido à temperatura elevada daquela manhã (na verdade dos últimos dias, há muito não chovia). Aparentemente tranquila (só aparentemente), postou-se em um canto de sua casa, que adorava ficar quando os pensamentos a inquietavam, quando sentia nostalgia, quando as duvidas a perturbavam, quando os sonhos não permitiam seu despertar.  

Havia passado grande parte o dia debruçado na janela, observando a vida passar diante de seus olhos, vendo o momento exato em que o sol se recolheu, dando espaço as nuvens que chegavam praticamente arrastadas pela força dos ventos. Que agora, assobiavam entre as arestas da janela e sacudiam as cortinas como se fosse arrancá-las do varão (ela adorava sentir a força do vento em seu rosto, adorava sentir seus cabelos revolverem sem controle, adorava fechar os olhos enquanto aquela força oculta acariciava sua face, sentia-se viva).  A vista de sua janela era bastante convencional (típica de metrópoles), embora pudesse avistar parte da rodovia principal, os dois shoppings Top’s de seu bairro e até o telhado da Catedral da Sé... (a Catedral... quantas, tantas vezes se imaginou em uma entrada triunfal naquela igreja) ...Não havia nada extraordinário ou fenomenal ali, além desses pontos que “como pequenos pontos” podia avistar, mas mesmo assim, ela gostava de ficar ali. De “perder” algumas horas, ora e outra, vendo o vai e vem dos carros, as luzes se acendendo conforme o dia partia para a tão esperada chegada da noite. (e como ela adorava a noite e com isso, ainda mais ficar naquela janela).

Já estava ali por horas, não tinha escolhido um ponto exato mas seus olhos estavam tão fixos, que poderiam jurar que ela avia sido hipnotizada. (talvez estivesse mesmo, quem é que sabe?!) Ela olhava concentrada, não no que via, mas no que sentia, e o que sentia, a fazia ver além do que meros olhos “mortais” eram capazes de avistar. Somente seus olhos (sonhadores, crentes, atrevidos) poderiam traduzir o que de fato ela via naquele vazio que parecia tão mágico. E era gostoso olhar pra ela, e vê-la tão compenetrada naquele espaço ilimitado. Era gostoso olhar seu olhar sorrir para os espaços vagos, como se ali, no nada, estivesse armado um circo com domadores e palhaços. Era intrigante vê-la ver adiante, o que por mais que se tentasse, não se via em lugar algum. Seus olhos eram como aquelas canções, que escondem sentimentos omitidos. Eram como aqueles presentes simplórios, que não são caros, mas inestimáveis no valor sentimental.  Seus olhos eram como poemas, aqueles que quando lemos de primeira, ficamos com a sensação vaga de que á mais entre as linhas. Seus olhos eram como areia fina, aquela que escorre por entre um vão tão pequeno, marcando, contando, passando pelo tempo. Seus olhos eram como uma passagem, um portal, como uma janela secreta. Por onde ela vinha, ia, ou simplesmente ficava. Não importando o ambiente ou o cômodo em que estava. Através daqueles círculos castanhos, mesmo sem sair do lugar, ela o encontrava.
Por. Bell.B

Faz Mal

 Sonharás uns amores de romance, quase impossíveis. Digo-lhe que faz mal, que é melhor contentar-se com a realidade; se ela não é brilhante como os sonhos, tem pelo menos a vantagem de existir.
Por. Machado de Assis

Estranho é gostar tanto do seu All Star azul...
Por Nando Reis/All Star

18 de setembro de 2012

Viciado em Silêncio

 Ando viciado em coisas lentas, lentas e essenciais, em música e, sobretudo, estou viciado em silêncio.
Por. Caio Fernando de Abreu

Penúria



É aquilo que chamam de costume...
... eu rebato (é necessidade)
É aquilo que rotulam passageiro...
... eu contradigo (é penúria )
É o que todos vivem dizendo sentir...
... eu afirmo (só mesmo quem sente é que sabe)
Por. Bell.B

Música é Assim

 A música é assim: pergunta, insiste na demorada interrogação
- sobre o amor?, o mundo?, a vida?
Não sabemos, e nunca, nunca o saberemos. Como se nada dissesse vai afinal dizendo tudo. Assim: fluindo, ardendo até ser fulguração – por fim o branco silêncio do deserto. Antes porém, como sílaba trêmula, volta a romper, ferir, acariciar a mais longínqua das estrelas.
Por. Eugénio de Andrade

Adaptações

 Não é que vivo em eterna mutação, com novas adaptações a meu renovado viver e nunca chego ao fim de cada um dos modos de existir. Vivo de esboços não acabados e vacilantes. Mas equilibro-me como posso, entre mim e eu...
Por. Clarice Lispector

17 de setembro de 2012

Pelo Avesso


Sentimentos são coisas que realmente não podemos controlar, fogem das linhas de raciocínio ou das formas que podemos querer explicar. Tenho feito silêncio, tentado manter meus sentimentos o mais distante de você possível. Até permiti que meu coração abrisse as portas, se deixasse guiar, mas por mais que eu tentasse outros amores, por mais que eu me iludisse com novas paixões, é sempre você quem eu quero que esteja lá. Por medo do que podia ou não ser, forcei-me a mostrar certezas, e ainda tenho forçado-me ao máximo que posso. Exibo com certa frieza o meu auto controle, mas... sinto dizer que amo mesmo, esta ruim pra disfarçar.


"E cada vez que eu fujo... eu me aproximo mais."
Por Ana Carolina/Quem de Nós Dois
Por. Bell.B

Ficam

Ele: E fui esquecido.
Ela: Realmente o nosso "poder" de "comunicação sobrenatural" só tem tido (1) lado! Acha mesmo que consigo, que sou capaz, que sei "te esquecer"? Ingenuidade de sua parte pensar assim. O fato de eu não estar tão presente por esses lados, não implica que do lado de "cá" eu o tenha esquecido. Muito pelo contrario, mas deixa pra lá. Acho que não tem ido ao "canto" que me escondo, quando quero que somente uma pessoa me encontre.
Ele: Precisava de uma desculpa para te fazer falar. Acho que consegui.
Ela: Desde quando precisa de desculpas para interromper meu voto de silêncio?
Ele: Quando seu silêncio fica muito alto.
Ela: E consegue detectar isso? Silêncio tem "volume"?
Ele: Claro que tem.
Ela: O que ouviu então, com o meu silencio "ensurdecedor"?
Ele: Estou de olho.
Ela: Se esta, não deveria ter dito que "foi esquecido"...

Algumas pessoas, simplesmente passam pelas nossas vidas, e mesmo quando se vão. Ficam! Ficam na mente, nos momentos, nos sonhos, no coração. Independe de rotina, da frequência que se encontram, se voltam a se encontrar, se se falam ou não. Ficam por entre a pagina de um livro favorito, ficam no meio de um refrão cantado em uma tarde quente de verão. Ficam por através de um olhar não mirado, por um momento de reflexão vago, batendo dentro do coração. Ficam numa cena qualquer da TV, em uma frase solta no meio de uma conversa sem sentido, no trago de um cigarro em uma dessas noites que se debruça na janela a procura de uma resposta qualquer. Algumas pessoas, simplesmente ficam, ficam coladas nos nossos sentidos, e ficam, sem permissão, sem aviso, sem motivo. Só e simplesmente... ficam.
Por. Bell.B

14 de setembro de 2012

Um Giro

 
Só continue sendo forte. Não se preocupe, essa angustia que você está sentindo vai passar, a saudade vai acabar. Eu sei que agora parece que o mundo conspira contra você, mas ele gira e em um giro desses tudo pode mudar. Então não desiste, sorria. Você é mais forte do que pensa e será mais feliz do que imagina. O medo a decepção, a tristeza, a raiva são só sentimentos, são só momentos e momentos chegam ao fim. Isso chegará também. Não tem como encontrar a felicidade sem ter passado pela tristeza. Pense nisso, não é hora de se deixar abalar.
Por. Tati Bernadi

Vazio

E de repente a casa que mesmo tão pequena, ecoava sussurros e dores, pelo tamanho grotesco da ausência, e de repente aqueles quilômetros entre nós, que pareciam "nada" diante do que tínhamos, se tornaram milhas e milhas de distancia. E de repente, aquele "hábito" em nos falarmos quase todos os dias, aquela necessidade diária de saber e partilhar, se partiram, tornando a rotina mais fria. E de repente, um dos dois parou no tempo a espera do outro. Mas um dos dois não voltou, ou  só continuou. Não importa (se perderam). Talvez por ter cansado, talvez por medo, quem sabe? Talvez por ter faltado coragem de se permitir o novo, o diferente, o desconhecido. E com isso, o vazio foi tomando força, as pausas ficaram maiores, as vontades se perderam no passado, e os desejos, bem... eles ainda conseguem preencher os espaços que sobraram, de tudo que um dia fomos, e juntos ou não, pra sempre seremos...


Se sumo, se me recolho, se me escondo... 
... procura-me, cutuca-me, encontra-me!

Se não olho, se não ouço, se não digo...
... encare-me, grite, provoca-me!

Se não canto, se não escrevo, se não apareço...
... sinta-me, ainda há um pouco de mim, em ti, eu sinto!
Por. Bell.B

13 de setembro de 2012

Mais um Dia

A televisão estava ligada, já tinha "sapiado" todos os canais, parado em alguns, quase se interessou por alguns filmes, mas por já estarem começados, não se ateve a nenhum. Resolveu rodar mais uma vez a vasta lista. Eram mais de 200 canais, não era possível que nenhum deles, fossem chamar-lhe atenção. Lembrou-se dos favoritos..."músicas". Abriu a lista, não "sapiou", parou no primeiro. Resolveu jogar o colchão no meio da sala. Por qualquer motivo, não queria ficar no quarto, então levou o quarto para sala. Como de costume, a casa estava somente com a luz de uma vela e em total silêncio, tanto que sua respiração, parecia ser mais alta que a da música que tocava na televisão. (Na verdade, a procura que fez por um canal, ou por algo que a interessasse, não passará de uma distração. Sequer estava interessada em algo para ouvir ou ver, tanto que ao deitar-se, nem se deu conta do que estava tocando. Seus pensamentos estavam altos demais, suas vontades se projetavam no teto, que mudava de tom ora e outra, conforme as imagens da TV iam se alterando). Respirou fundo por várias vezes, tentou esvaziar a mente por mais tantas outras. Fechou os olhos tão apertados, que sentiu a dobrinha das pálpebras arderem. As ideias começaram a invadir sua cabeça de tal maneira, que projetou certo em sua garganta. Nesta hora, a única coisa que conseguiu fazer, foi rezar. Foi pedir a Deus que afastasse dela, aqueles sentimentos. (Todos eles) A angustia do "e se eu tivesse cedido", o medo "do quase ter tentado", a saudade do "poderia ter me permitido", a dor "do será que ainda é?". Muitas eram as coisas que passaram e ainda passam em sua cabecinha perturbada. Então depois de pedir a Deus que a livrasse de todos esses pesares, que pesam-lhe toneladas, agradeceu por estar viva por mais um dia, mesmo sentindo-se morta ora e outra.

Pegou no sono sem saber quais as músicas que tocaram naquela madrugada, sem as respostas das tantas perguntas que se fez, sem sequer entender, o porque de estar tão triste, tão sentida, tão vazia... Quando acordou naquela manhã, a quinta-feira estava tão apagada (cinza) quanto ela, quase desejou não ter aberto os olhos, mas logo foi corrigida por algo maior, mais forte, mais poderoso dentro de si mesma. E por ter Fé, e por Crer, outra vez agradeceu por mais um dia.
Por. Bell.B

Sempre Assim


 Na minha vida, as coisas funcionam sempre assim, resumidas a tons, notas, sons...

Visão do espaço, estamos tão distantes... Se acelero os passos, sigo a voz do meu coração. Ontem eu fui dormir mais tarde um pouco. E tudo vai indo bem...

"... Hoje eu acordei e te quis por perto
"

Por. Bell.B