9 de maio de 2014

Quem Sabe...

Todas as músicas que tocaram durante o dia. Todas as propagandas fúteis e sem sentido que passaram no intervalo do filme da sessão da tarde (sim, eu tenho TV a cabo, mas por dois motivos não sapiei a TV hoje. Preguiça de procurar a porra do controle, o filme era aqueles do tipo "mamãozinho com açúcar" que fazem qualquer adolescente suspirar ao se projetar nas cenas) não sou adolescente, mas sim, eu suspirei ¬¬. Todos os textos que li por ai, me remeteram a você, a nós. Ao que um dia (quase) fomos.

Caralho! Porque Diabos não me deixe em paz e não some de vez da minha mente, da minha vida!? Aposto que desde o inicio, desde o antes acontecer, planejou, traçou, arquitetou passo a passo todo esse plano. Admita! Você me estudou, e decidiu que me conquistaria. Aos poucos foi entrando, tomando espaço, e BUM! Como no War, dominou o território todo. Você não presta, não vale nada. Nem ao menos o valor dessa porcaria de vodka barata na qual você teima em afogar  suas frustrações com a desculpa de que é dela que saem suas inspirações. Mentiroso, Cretino! Elas não te fazem escrever tão bem quanto quando se afogava na minha saliva.

Foda-se! Eu não to nem ai, eu não ligo. Eu to cagando e andando para o que te inspira ou te broxa. Eu sequer me importo com você, com o que faz ou com que forma esta seguindo sua vida! É claro... contudo, ora e outra me pego divagando, mas não porque me lembro de você ou de nós. Eu me lembro de coisas que passei com você e como eu estava na porra do momento é claro que se algo parecido acontece, de quebra tua lembrança vem junto. Mas na mesma hora eu sacudo a cabeça e sorrio...

... sorrio daquela forma que me coça o cantinho de lábio quando com cara de pouco caso, ironicamente me respondia algo fora do contexto que falávamos. Sorrio aquele sorriso largo, aquele raro, que só o seu roçar de nariz na minha nuca pela manhã era capaz de arrancar. Sorrio porque é teu este meu único jeito doce de sorrir. E também porque quando penso em você, por mais que eu queira, não sou capaz de evitar. É, eu admito. Eu não deixei de pensar em você, o tempo não teve forças ainda pra me fazer esquecer. concordo quando diz que a mesma estrada que vai é a mesma que vem. Mas quando apanho as chaves e entro no carro, recuo antes mesmo de dar a partida. A viagem seria longa, agora ainda mais. E penso que em time que se esta ganhando não se mexe. Merda...

Fraquejei outra vez, mas esta não foi a primeira, nem a última. Quem sabe num outro momento de fúria a coragem vem junto e eu decida encarar a estrada, a história e apareça pra te contar da mudança, dos meus dias cinzas sem você, de como me odeio por sentir sua falta. Quem sabe...
Por. Bell.B