21 de fevereiro de 2015

A Dama e o Vagabundo

A gente vai ser feliz. Assim, no gerúndio mesmo. Sem ele fica parecendo frase de conto de fadas e isso é real, bem real. Não é fantasia. Não começa com ‘era uma vez’, porque não éramos. Somos e aqui estamos. Você ai e eu aqui, mas estamos no mesmo livro, na mesma história. Isso não é lenda, onde os bonzinhos são sempre bonzinhos e os malvados, malvados. Se fosse uma fábula eu seria o sapo que tenta virar príncipe desde o seu beijo. Não esses príncipes com cara de viadinho da Disney, mas uma versão menos romantizada, que bebe cerveja e anda de carro sujo e velho no lugar de um cavalo branco.

Já você seria o coelho branco. Mesmo sem relógio, pensa que está sempre atrasada. É branquinha, fofinha e corajosa. Num dos seus corre, acaba encontrando Alice e a leva pra outro mundo, o das Maravilhas, dando início a uma bela epopeia. Mas, como disse, isso é realidade. E ela dói. Não serve pra fazer criança dormir. Faz até a Bela Adormecida acordar. O veneno não está na maçã oferecida pela princesa, mas na nobre atividade de amá-la. Morder esse sentimento implica em aceitar que toxinas pesadas corram pelas veias. Alucinógenos como o apego, ciúmes, obsessão, raiva e mágoa acabam tomando conta da sua mente e levando-o para Terra do Nunca, onde passa a se comportar como criança.

Você vai querer cheirar pó de pirlimpimpim e encher a cara de suquinhos gummi. Sua barba vai crescer igual as tranças da Rapunzel e, se não tomar cuidado, vai terminar fedendo feito o Shrek. A toxina vai afetar ainda a sua visão, fazendo com que passe a enxergar aquela linda princesa como uma bruxa. Suas orelhas de Dumbo também ficarão prejudicadas, não escutará nada e ninguém. Uma hora vai se sentir grande e forte como o gigante. Em outras, pequeno e insignificante feito o grão de feijão do João. Rejeitado igual ao patinho feio.

Para evitar que a carruagem do amor vire abóbora, tome às rédeas da vida. Controle o veneno que corre nas veias e abocanhe sem medo a maçã mesmo que encontre dificuldades de cravar os dentes em algumas partes. Sua princesa, a minha princesa, vale cada dragão que tiver que enfrentar. Lute bravamente pra domar os fantasmas que o assombram. Caminhe de mãos dadas com ela na floresta e não pare pra comer doces. Escale a porra da torre sem pensar no tamanho da queda. Não desista. Não desisto. Acredite, nossa história não tem fim. Juntos, seremos felizes para sempre.
                                                           Por. Hernani Lélis

Um comentário:

  1. Eu já li muita coisa aqui. Coisas fora daqui que me fizeram te enxergar, te ver. Mas este em particular, é indiscutivelmente vc. E ai eu fico me perguntando como posso sentir o veneno, me sentir entorpecido, se eu nem ao menos mordi a maçã? É garota, vc descreve o amor, mas eu acho que a definição do que descreve é vc.

    ResponderExcluir

Obrigada por partilhar comigo, o que você pensa!